gerador-foto-1200x565.jpg

Gerador

Festival Mental regressa já este mês com as M-Talks e o M-Debate onde o foco será a Saúde Digital

O Festival Mental regressa a Lisboa de 19 a 27 de maio para uma 6ª edição que quer discutir temas como saúde digital, o medo, trauma e superação. Este ano o cartaz conta as M-Talks e o famoso M-Debate.

Com foco na programação, exposição e discussão, o Mental quer falar “claro e claramente sobre saúde mental”. Para além das mostras de cinema internacional, peças de teatro, dança, música e edição literária com chancela própria, o festival traz a debate público as M-Talks e o M-Debate.

Este ano, o M-Debate foca-se num dos assuntos mais falados do momento – a Saúde Digital. “Cada vez mais, o nosso dia-a-dia é vivido através de um ecrã, mas será que temos direito à privacidade? Será que depois de uma sobre exposição de todos os momentos da nossa vida, através das continuas publicações nas diferentes redes sociais, temos direito ao esquecimento? Que direitos e deveres temos enquanto profissionais?”, são estas as questões que o festival convida a que sejam discutidas e debatida. O M-Debate ocorre no dia 19 de maio, às 21h, na sala 2 do Cinema São Jorge (entrada livre) e conta com a participação de Fernando Alvim, locutor e humorista, Miguel Oliveira da Ordem dos Psicólogos, José Pereira advogado associado da Abreu Advogados e com moderação da jornalista Alexandra Costa.

As M-Talks, que são complementadas por uma longa-metragem especificamente escolhida para cada tema, contam com painéis de luxo que incluem profissionais das mais diversas áreas que vão do jornalismo às artes, com maior ênfase nos profissionais de saúde mental, que diariamente conversam com o público e ajudam a esclarecer dúvidas. Estas sessões começam no dia 20 de maio, às 20h30, com o tema “Medo”. Os oradores convidados são Inês Tavares, David Dias Neto e Tiago R. Santos, com moderação de Teresa Nicolau. No dia 21 de maio, às 20h30 será discutido o tema “Trauma e Separação”, com a participação de Catarina Fróis, Francisco Costa e Miguel Ricou e moderação de Sandra Gonçalves. Por fim, no dia 22 de maio, às 20h30 haverá uma M-Talk sobre “Direitos e Humanos e Saúde Mental”, com Diana Martins Correia, Gonçalo Delicado, Mafalda Ribeiro e Ana Mota Teles, moderada por Andreia Friaças.

Agenda completa do festival, disponível aqui.

https://bit.ly/3496WWC

Uma questão de ADN

Podem ser irmãos, avós e netos, pais e filhos, companheiros, marido e mulher… São pessoas da mesma família que se juntam para uma conversa em que se fala de tudo. São percursos de vida e testemunhos que atravessam diferentes gerações. O que os une para lá do apelido, o que os separa para lá da diferença de idades.
Quarta-feira, depois das 13h00. Repete ao domingo, após as 14h00. Com Teresa Dias Mendes.
Neste episódio, Ana Pinto Coelho e Sara Pinto Coelho Kristiansen, filha e neta mais velhas do “Senhor Acontece”, Carlos Pinto Coelho.
clicar
Forum.jpg

A SAÚDE MENTAL NA ACADEMIA: O DESAFIO DO ENSINO SUPERIOR

Onde?

2 Fev 2022 | Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa |  Anfiteatro 1- Professor Ferreira Marques

Ver em directo: Fórum Saúde Mental na Academia – YouTube

As instituições de ensino superior têm um papel crucial no desenvolvimento das pessoas, comunidades,  sociedades e culturas pois têm a oportunidade de proporcionarem uma educação transformadora, dar  voz aos alunos e desenvolverem novos conhecimentos, traduzindo-se em benefícios para a sociedade em  geral. Estas instituições têm um posicionamento estratégico para gerar, compartilhar e implementar  conhecimento resultante de pesquisas, que podem melhorar a saúde dos cidadãos.

A promoção da saúde, na qual se inclui a mental, deve estar integrada nas políticas de desenvolvimento  da educação e saúde na Europa. Uma instituição de ensino superior consiste numa parte fundamental de  qualquer estratégia de promoção da saúde pelo trabalho colaborativo, transdisciplinar e intersetorial.

A academia tem como pedra basilar da sua responsabilidade social a promoção da saúde e este é um  desafio para as instituições do ensino superior do século XXI. A promoção da saúde deve ser otimizada como parte integrante de um quadro mais alargado de princípios e objetivos relacionados com a  sustentabilidade e a responsabilidade social.

De acordo com The Edmonton Charter for Health Promoting Universities and Institutions of Higher  Education, da Organização Mundial de Saúde (2006), as instituições de ensino superior promotoras de  saúde devem estabelecer uma cultura organizacional de promoção da saúde e um ambiente sustentável  para se aprender, trabalhar e viver; promoverem ações para a melhoria dos ambientes educativos, de  trabalho e de vida para os estudantes e colaboradores nas suas instituições; auxiliar os seus membros a  viver uma vida com propósito, dando-lhe um sentido, e a optar por estilos de vida saudáveis; disponibilizar  serviços de saúde para toda a academia e encorajá-los a assumir responsabilidades pela sua saúde e bem estar.

A Organização das Nações Unidas reconhece que ter a melhor saúde possível é um dos direitos  fundamentais de todo ser humano. A promoção da saúde é baseada neste direito humano fundamental  e oferece um conceito positivo e inclusivo de saúde como um determinante da qualidade de vida e que  abrange o bem-estar psicológico. Este é um processo que permite às pessoas aumentar o controle sobre  sua saúde e seus determinantes e, assim, melhorar a sua saúde.

Segundo o Programa Nacional para a Saúde Mental da Direção-Geral da Saúde é importante que a saúde  mental esteja integrada nas políticas e estratégias de saúde pública, devido ao impacto no bem-estar das  populações. A saúde mental pública tem vindo a dar uma relevância crescente às áreas da promoção e da  prevenção, incorporando os conceitos de saúde mental positiva, bem-estar e recuperação.

“Não há Saúde sem Saúde Mental”, ou seja, é essencial o investimento na promoção da saúde mental  positiva e na prevenção da doença. Ter saúde mental positiva consiste num estado de bem-estar no qual  as pessoas conseguem desenvolver as suas capacidades, são capazes de lidar com o stress do dia-a-dia,  trabalham de forma produtiva e com satisfação e contribuem ativamente para a comunidade. No fundo  implica um pleno desfrutar da vida.

Este Fórum irá abordar três temas centrais:

Instituíções do Ensino Superior Promotoras de Saúde

A Saúde Mental dos Estudantes Universitários

A Saúde Mental no Universo da Academia

Saiba mais em www.alertamente.org/forumsaudementalacademia

Para ver em directo basta clicar no link abaixo:

Fórum Saúde Mental na Academia – YouTube

Mental-black-friday.jpg

E que tal aproveitar estes extraordinários livros para oferecer no quase a chegar Natal?
Não é uma ideia fenomenal?
30% de desconto (fora portes CTT) em todos. Alguns títulos já têm poucas unidades disponíveis.
Boa semana!!!!!

MENTAL BLACK FRIDAY

pexels-anna-shvets-4672438-1365x1024-1-1200x900.jpg

SEGUNDA-FEIRA, 15 FEVEREIRO 2021

 

Está a decorrer, até 27 de março, a open call para a competição M-Cinema: Mostra Internacional de Curtas Metragens da 5.ª edição do Festival Mental, que acontecerá, este ano, de 20 a 23 de maio no Cinema São Jorge, em Lisboa.

open call está aberta a filmes que abordam a temática da saúde mental e psicológica, sendo aceites nas categorias de documentário, ficção e animação. Curtas-metragens que tratem a mesma temática para o segmento infanto-juvenil também estão incluídas e podem participar nesta competição, que terá, como júri, os residentes Rui Henriques Coimbra, Maria João Barros e Catarina Belo, aos quais se juntará um outro elemento convidado.

Nesta 5.ª edição, o Festival Mental reforça a sua missão de trazer para a discussão pública o tema da saúde mental, contribuindo para a diminuição do estigma a ele associado. Sendo a cultura, nas suas várias formas, uma proposta de diálogo, a iniciativa pretende cruzar estes dois temas num festival multidisciplinar, contribuindo para a construção de novos públicos e chegando diretamente às comunidades, sem centralismos.

A decorrer anualmente desde 2017, o festival dedica-se essencialmente ao cinema e informação, estando, no entanto, aberto a outras formas de expressão artística que reflitam sobre a saúde mental, com vista à promoção e prevenção.

A programação de 2021 incluirá uma série de eventos integrados de várias áreas culturais e sociais como cinema, música, dança, teatro, literatura, debate e conversas temáticas. A pensar nos mais jovens, acontecerá também o Mental Júnior e o Mental Jovem.

Este ano, o Festival Mental terá também um formato itinerante, passando também pelo Teatro Baltazar Dias, no Funchal, de 18 a 20 de junho, pela Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Ponta Delgada, de 17 a 19 de setembro e ainda pelo Cine-Teatro Mouzinho da Silveira, em Castelo de Vide, de 24 a 26 de setembro.

Texto de Flávia Brito
Fotografia de Anna Shvets via Pexels
Time-Out-1.png

A open call para curtas-metragens relacionadas com saúde mental está aberta até 27 de Março.

Por 

Francisca Dias Real

Publicado Sábado 9 Janeiro 2021, 10:43

Nenhuma pandemia consegue parar a organização do Festival Mental. Depois de um 2020 atribulado e uma edição empurrada para o final do ano, em 2021 o cenário é outro: o Festival Mental regressa com a sua 5.ª edição entre 20 e 23 de Maio para voltar a quebrar estigmas e discutir a saúde mental com cinema e conversas no Cinema São Jorge.

Foi em Outubro de 2020, depois de adiamentos nas datas do evento, que o Mental ocupou pela primeira vez o São Jorge. E é lá que voltará em Maio com o mesmo formato semelhante ao de um festival de cinema cujo tema base é a saúde mental, tocando numa ferida que muitos não gostam de ver aberta. Mas, mais do que nunca, é preciso normalizar a saúde mental e os estigmas que lhe são associados.

À semelhança das edições anteriores, também a programação dividirá as atenções entre conversas, workshops, música, literatura e, claro, cinema. É precisamente nesta vertente que o Festival Mental mais quer apostar, tendo já aberto uma open call para curtas-metragens relacionadas com a saúde mental.

O concurso está a decorrer através da plataforma Film Freeway e as candidaturas podem ser submetidas de qualquer parte do mundo, sendo a data limite de participação a 27 de Março. O júri será constituído pelos residentes Rui Henriques Coimbra, Maria João Barros, Catarina Belo e Eurico de Barros (crítico da casa), aos quais se juntará um quinto elemento convidado.

Além disso, não será esquecida a programação para os mais novos, com o habitual Mental Júnior. O programa detalhado será divulgada em breve no site redes sociais do evento, num ano em que o próprio Mental terá um formato itinerante, passando por cidades como Funchal, Ponta Delgada e Castelo de Vide.